HISTÓRIA DA OBESIDADE: SAIBA MAIS

A obesidade é um mal que atormenta a humanidade atualmente. Para entender como chegamos a esse ponto vamos voltar um pouco no tempo através da “história da obesidade”, mostrando como a mesma esteve presente na vida das pessoas durante o passar do tempo.

obesidade

HISTÓRIA DA OBESIDADE EM 5 GERAÇÕES

IDADE MÉDIA:

Em meados do século XIV, o grande prestígio em um mundo onde a fome é galopante, o tamanho atestam um vigor em combate e uma grande força.

Nos romances medievais são apresentadas as refeições sem fim. Quanto maior, mais forte, nessa época os soldados se igualavam aos ursos. A carne era muito abusada na Idade Média.

É um pouco diferente para a pessoa muito gorda, que é culpada por sua gula e sua ganância que são pecados. Mesmo que alguém não consiga estimar o peso do “muito grande”, ele designa aquele que tem dificuldades de se mover, montar a cavalo, fazer guerra.

A percepção do corpo evolui à medida que as técnicas de luta evoluem; o cavaleiro deve ser forte e ágil ao mesmo tempo. Então, irá substituir a imagem do urso para leão. Na história da obesidade as mulheres só no final do século XIII que se começa a dar importância à delicadeza do tamanho.

Começamos a estabelecer um sistema de classe social, onde os homens do povo são representados como gordos, pesados, enquanto os nobres são vistos mais refinados.

ERA MODERNA:

A partir do século XVI, começamos a julgar os grandes que seriam lentos, preguiçosos e até pouco inteligentes. Enquanto a Idade Média julgava a gula, a modernidade julgava a preguiça. Naquela época, o cavaleiro dá lugar ao cortesão que não precisa ser forte.

Na história da obesidade, começa a aparecer uma linguagem desprezando os homens grandes. A magreza não é mais aceita porque lembra a morte, a fome, a peste, a esterilidade feminina e seria sinônimo de melancolia.

obesidade

Ainda é difícil determinar quem é visto como grande. A palavra “embonpoint” (significado positivo) que aparece no século XVI mostra como é difícil entender quem é considerado grande sem medidas quantificadas.

A estética feminina permanece uma estética da parte superior do corpo. Não estamos interessados ​​no tamanho da parte inferior do corpo.

Começamos a ver dietas aparecerem e roupas supostamente para apertar o corpo considerado grande demais; correias, cordões etc. O espartilho se torna difundido.

O SÉCULO 19:

O corpo masculino tolera gordura em evidência, não o corpo feminino; o tamanho feminino deve ser fino e estrangulado, enquanto o do homem pode variar. Temos uma nova estética com a aparência do burguês; sua barriga simboliza sua opulência financeira.

Há uma crítica grande sobre impotência, esterilidade, falta de vitalidade. Os médicos estão começando a dar estatura e peso médios para homens e mulheres.

Aparece a palavra “obesidade”, que define uma doença. Insistimos no patológico diante de pessoas “muito grandes”. Os regimes do século XIX concentram-se na ideia de tonificar a gordura, porque tememos a subsidência. Banhos frios e eletricidade são usados, ​​entre outros.

A redondeza é vista como mais especificamente feminina, porque a inatividade é vista como um defeito tipicamente feminino e começa a operar os rankings. Por exemplo, prostitutas muitas vezes vistas como “naturalmente” preguiçosas seriam maiores que as outras mulheres.

O jovem deve ser magro, com uma cintura estrangulada, com um torso volumoso. Ele acentua sua aparência com uma magnitude de revestimento excessivo e acolchoamento artificial. O homem maduro pode ter barriga. A mulher deve ser magra e frágil mesmo se notarmos que ela envelhece.

Um crítico social denuncia o grande como alguém que é rico e que explora o povo, magro. Neste momento, a obesidade está associada à degeneração. Estamos vendo o termalismo e mais e mais anúncios para dietas de emagrecimento.

Leia também: KEFIR ENGORDA OU EMAGRECE?

SÉCULO 20:

A magreza é positiva, mas também a musculatura. Nos homens, a aparência da jaqueta cruzada favorece um corpo magro. As mulheres devem ser esguias, magras por causa das roupas estreitas e sem cintura.

obesidade

ERA CONTEMPORÂNEA:

Na era contemporânea, a história da obesidade está invertida. As estatísticas mostram que os grandes não são os mais ricos. A obesidade é vista como um mal, uma peste, uma epidemia.

O obeso é visto como alguém incapaz de se controlar e sem vontade quando anteriormente era visto como aquele que “abusa”. O sofrimento em torno da obesidade é evocado.

VISITE NOSSO SITE E CONHEÇA NOSSOS PRODUTOS!

REFERÊNCIAS:

Histórico da Obesidade.

RecebaNovidades

Deixe um comentário