Seu estômago não tem dentes

Uma afirmação tão óbvia mas tão esquecida: seu estômago não tem dentes! Então o primeiro passo para melhorar a saúde intestinal é a mastigação. Veja, na imagem abaixo, a diferença clara (nada apreciável) entre o bolo alimentar mal mastigado e bem mastigado.

importância da mastigação em seus vários niveis
foto: reprodução

Uma outra afirmação esquecida e muito sábia: beba seu alimento. Devemos mastigar tanto até que o alimento se transforme numa pasta que possamos beber, com a consistência similar à de uma vitamina. Essa importância da mastigação tem alguns motivos científicos. Vamos lá…

MELHORAR A CONSISTÊNCIA DO BOLO ALIMENTAR

Este primeiro motivo é bem óbvio: uma boa mastigação transforma o alimento sólido no bolo alimentar pastoso. Sabe aquela sensação de inchaço pós-almoço? Pois é, com uma boa mastigação você reduzirá esse problema. Outra queixa comum é a dificuldade de ir ao banheiro, prisão de ventre, etc.

Alguns meses atrás conversei com uma colega que sofria desse problema. Ela teve um pouco de vergonha no início, mas depois confessou ser algo que carrega há muito tempo e influencia negativamente em todas as áreas da sua vida, desde a qualidade do sono, das relações sociais até o excesso de peso.

Convidei-a para uma consulta com Dr. Kefir e a primeira pergunta que ele fez a ela foi: em quanto tempo você almoça? Ela meio sem entender, respondeu: em 5 minutos. Pois é, em uma pergunta a consulta acabou.

Minha colega tinha passado por vários médicos, que  passaram remédios e laxantes. Mas nenhum sequer perguntou sobre a alimentação dela ou a sua forma de mastigação.

Como resultado, minha colega saiu da consulta com 2 recomendações que seguiu à risca: mastigar 30 vezes cada colherada de alimento e tomar 4 cápsulas de Kefir por dia para restaurar a saúde intestinal. 15 dias depois ela me ligou transbordando alegria, contou que foi no banheiro todos os dias na última semana e que nunca imaginou que a solução fosse tão simples. Até hoje a saúde intestinal dela continua excelente.

A lição é: mastigue pelo menos 30 vezes cada colherada/garfada de alimento.

A SALIVA E A PTIALINA

A ptialina, conhecida também como amilase salivar, tem como função principal a digestão das grandes moléculas dos polissacarídeos amido e glicogênio. Tudo o que tem amido (massas, pão, tapioca, cereais, batatas, etc.) deve ser pré-digerido pela ptialina. Se você deixar passar o bolo alimentar pela boca sem mastigá-lo bem, o amido não será completamente digerido posteriormente.

Consequentemente, o amido não digerido se acumula no sistema digestivo, sendo fermentado de forma putrefativa. Essa putrefação causa a sensação de inchaço, além de dificultar a digestão dos demais alimentos e desequilibrar a população de microrganismos da nossa microbiota. E mais uma vez…

A lição é: mastigue pelo menos 30 vezes cada colherada/garfada de alimento.

A MASTIGAÇÃO E O CÉREBRO

Nosso cérebro demora um tempo para detectar que nosso estômago está cheio. Na verdade, toda a comunicação entre o estômago e a sensação de fome/saciedade que o cérebro emite é demorada. Por isso, uma mastigação lenta e uma refeição ingerida calmamente é fundamental para que possamos manter o equilíbrio alimentar.

Em diversas culturas é comum o uso de “entradas” antes do prato principal. Os japoneses, por exemplo, tomam Missô Shiro, uma espécie de sopa com propriedades probióticas que aquece o estômago e dá ao cérebro um primeiro sinal de que estamos nos alimentando.

Por outro lado, rodízios se aproveitam desse gap de comunicação para que as pessoas comam de forma descontrolada durante os 20 minutos nos quais o cérebro não ativou a sensação de saciedade. Por sinal, uma das piores práticas para quem quiser melhorar a saúde é frequentar rodízios. E ainda mais uma vez…

A lição é: mastigue pelo menos 30 vezes cada colherada/garfada de alimento.

Agora é com você. Lembre-se, seu estômago não tem dentes e sua saúde merece respeito.

Leia mais sobre como regular sua microbiota em 7 passos

Deixe um comentário