NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL – VAMOS ENTENDER?

Já ouviu falar em nutrição comportamental ou está procurando uma forma real e possível para começar a perder peso? 

Então, é chegada a hora de descobrir tudo sobre essa nova estratégia. 

Com a nutrição comportamental, você vai conseguir descobrir uma nova maneira de se alimentar e realmente mudar os seus hábitos e sua vida. 

Ficou interessada? Não perca mais tempo, vamos lá!

O QUE É A NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL? 

comportamental

Antes de começar a entender o conceito de nutrição comportamental, você precisa ter em mente como a relação entre o ser humano e os alimentos se tornou mais difícil ao longo dos anos. 

Seja devido ao acesso facilitado, não é necessário caçar a comida, ou mesmo pelos padrões da sociedade, incluindo o corpo que é bonito e os alimentos que não mais consumidos. 

Com isso em mente, sentimentos como raiva, culpa e a dificuldade para emagrecer compõem um cenário bastante complicado.

Assim, surge a nutrição comportamental. 

O conceito básico tem como objetivo não apenas garantir que você perca peso. A ideia é ir além.

Dessa forma, essa estratégia visa entender quais são os aspectos emocionais, fisiológicos e até sociais por trás da sua alimentação. 

Afinal, qual a melhor maneira para mudar um hábito se não entender porque ele acontece não é mesmo?

Isso é nutrição comportamental, entender o que há por trás da alimentação e da sua dificuldade em comer bem. 

Leia também: 10 BENEFÍCIOS DO KEFIR PARA A SAÚDE

COMO FAZER A NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL EM 4 PASSOS 

Por ser uma estratégia bastante ampla, é comum que a nutrição comportamental envolva três profissionais: 

  • Clínico, para avaliar a sua saúde; 
  • Nutricionista, para criar um cardápio ideal e personalizado; 
  • Terapeuta/psicólogo, para facilitar o processo de entender e colocar em prática. 

Porém, eu sei que você deve estar se perguntando se é possível fazer isso em casa e a resposta é sim. Mesmo que seja um pouco mais difícil e o ideal seja, ao menos, ir até um psicólogo. 

nutrição

Dito isto, comece a entender os passos para colocar a nutrição comportamental em prática: 

COMECE A APRENDER MAIS SOBRE SI MESMO 

O primeiro passo da nutrição comportamental é ser capaz de entender e dar nome aquilo que você pensa e sente. Em outras palavras, comece a prestar atenção as suas emoções e pensamentos enquanto você come. 

Provavelmente, você vai perceber que tem reações relacionadas a alegria, prazer e satisfação. Mais importante que isso, repare em quais são os resultados após a alimentação. 

Por exemplo, se você sente culpa e qual a ideia que vem à mente ou mesmo raiva, como culpa por ter comido um doce ou raiva por ter comido mais do que deveria. 

VOCÊ TEM/TEVE ALGUM PROBLEMA CORPORAL EMOCIONAL RELACIONADO À COMIDA 

Em seguida, você precisa se colocar à frente de alguns traumas que podem ter impacto na maneira como você se alimenta.

Por exemplo, alguém que já passou fome pode ser obeso apenas porque sabe qual é a sensação de estômago vazio e quer evitar a todo custo. Outras pessoas comem demais para conseguir a sensação de prazer, seja porque está depressivo, estressado ou com um problema.

A ideia é avaliar como é essa relação com a comida e identificar possíveis problemas emocionais e físicos, como baixa autoestima ou distúrbios de imagem, como a anorexia. 

COMECE MUDANÇAS LEVES

Para começar a ter uma nutrição comportamental efetiva, toda mudança brusca deve ser evitada, ou você pode acabar com ainda mais emoções negativas.

Por isso, comece a mudar a sua alimentação aos poucos, incluindo alimentos saudáveis e vendo como reage a eles. 

nutrição comportamental

Logo, você consegue retirar alguns excessos da rotina e também entender o que isso causa. É importante nunca eliminar completamente nenhum alimento, principalmente aqueles que você gosta, mas reduzir a quantidade. 

Você vai notar que a redução de doces pode gerar ansiedade, por exemplo. 

TENHA UMA VÁLVULA DE ESCAPE

Para lidar com as mudanças gradativas da nutrição comportamental, é essencial encontrar uma válvula de escape, ou seja, algo que você goste, impacte sua vida de maneira positiva e evita a compulsão alimentar. 

O mais comum é optar por atividades físicas, que liberam hormônios do prazer, aulas de dança, tempo de leitura/jogos ou mesmo assistir um filme. 

Foco: essa válvula não deve envolver nada relacionado a comida. 

É importante ressaltar que a alimentação também é um evento social, que aproxima as pessoas. Basta ver as comemorações de aniversário, casamento ou porque o fim de semana chegou. 

Por isso, é preciso ter o pilar da comunicação com as pessoas a sua volta, para que elas também entendam e respeitem essa nova etapa. 

Para finalizar, a nutrição comportamental é uma forma de conseguir ganhos a partir do entendimento emocional de comida e do impacto da alimentação na sua vida.

O ideal é procurar por um acompanhamento terapêutico, que vai facilitar e acelerar essa mudança e garantir que o autoconhecimento seja algo natural no seu dia a dia. 

VISITE NOSSO SITE E CONHEÇA NOSSOS PRODUTOS!

Deixe um comentário